“Não é preciso tempo para se perceber…é a minha opinião…”

cropped-mc3a3e_galobom-1.jpg O Rodrigo e a Armanda sentiam-se numa encruzilhada, sobretudo porque a Armanda tinha comunicado ao Rodrigo que estava com dúvidas quanto ao que sentia por ele. Naquele momento não sabia se queria continuar o namoro que tinha há cerca de 4 anos e meio. As coisas tinham mudado, já não sentia que vivia a relação com intensidade, com prazer, com a disponibilidade que sempre tinha. Aliás, dava consigo a pensar noutros homens que ia conhecendo, e a imaginar como seria se tivesse outro namorado, outra relação, como seria?

____ — __________ — _________________ —— _________________________ ——— _____________

Também o Rodrigo tinha as suas dúvidas. Afinal a Armanda tinha sido a sua única namorada significativa, e aquela comunicação tinha-o abalado. Perdera a confiança nela. E agora era como se tivesse sido criada uma possibilidade nova: a da separação. E isso criou nele um receio de abandono e de perda que lhe tem sido difícil ultrapassar. Ele é orgulhoso. Gosta dela. Mas deixou de ter a certeza do sentimento da Armanda e não consegue lidar com isso. Ela pede-lhe tempo. Tempo… para ele, homem prático isso não faz sentido…

foto4
E isto porque é um espaço de afetos em que cuidamos e mimamos, porque a seguir a esta revelação fala-se do que sentem, do que custou mais, do que vão fazer com essa informação, e de tido o que sentirem importante. Alexandra Alvarez I Terapeuta Familiar I TM:911 846 427

“Afinal a pessoa quando sente, sente, não é preciso tempo para se perceber…é a minha opinião…”

E este era o tema deste casal, como em tantos casais, havia um dos elementos que se sentia confuso, sentia que precisava de tempo para perceber os seus sentimentos, mas o outro não conseguia aceitar isso, pois o sentir para ele era qualquer coisa óbvia, e que a pessoa identifica e reconhece.

Sentia que, ao pedir tempo para perceber o que se sente, o outro está a pedir tempo para ter coragem para comunicar o fim da relação.

O Rodrigo chegou a perguntar à Armanda em sessão:  mas tu amas-me? e ela não conseguia responder. E nessa altura o Gonçalo disse-lhe:

– Armanda, não te enganes a ti própria, tu já decidiste o que queres, só não mo consegues dizer…

(esta é uma versão ficcionada que poderia ser a história de qualquer pessoa, de qualquer casal)

E o espaço terapêutico muitas vezes é esta oportunidade de criar tempo, criar lugar ao indizível, ao impossível, ao que ninguém consegue ou sabe dizer. E isto porque é um espaço de afetos em que cuidamos e mimamos, porque a seguir a esta revelação fala-se do que sentem, do que custou mais, do que vão fazer com essa informação, e de tido o que sentirem importante.

            Alexandra Alvarez I Terapeuta Familiar I Contacto: 911 846 427

Publicado por Terapia Familiar e de Casal - Alexandra Alvarez

Olá, sou Alexandra Alvarez, mãe de 5 filhos, terapeuta familiar e de casal, formadora e supervisora. Faço consultas com famílias e casais para "fazer acontecer" relações positivas! Uma nova oportunidade, para que todos sejam ouvidos e para que todos possam ouvir, numa perspetiva de entendimento e reforço de competências. " Family trainer " (inspiração no personal trainer), num modelo aproximado de coaching familiar, parental e de casal! Com paixão!

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: