Todos sabem dele, mas há um que finge não saber

logo_final Quando estamos nas relações com os outros, sobretudo os que nos são mais próximos, de forma natural, adquirida e espontânea já (quase, quase sempre) se torna fácil perceber como o outro vai reagir perante aquilo que acabamos de fazer ou dizer. São interações diárias que estabelecemos, que provocam e estimulam reações em nós, e de tão padronizadas serem muitas vezes são necessárias à homeostase da família.

Ainda que sabedores do desagrado que por vezes provocamos nos outros, não nos impedimos de tomar certa atitude, e além da a tomar, mantermo-nos nela **********

No entanto, estas relações conhecidas permitem o equilíbrio da família, não porque são necessariamente apelativas, mas por serem conhecidas de todos. Aliás, se alguém arriscar a ter um comportamento/comunicação diferente, é que poderá conduzir a um estado de confusão, porque não era o previsível.

once is enought

 

Assim, geramos rotinas relacionais e comunicacionais, que ainda que não nos sendo confortáveis, nos garantem um controle da situação, uma certa organização, que apreciamos por nos tranquilizar.

E quando falamos em comunicação não são só as palavras, é também a comunicação não verbal: o encolher de ombros, o revirar de olhos, a estupefação, o sorriso, e um sem mais número de sinais.

Hoje a abrir a rubrica das rotinas trago-vos esta situação: Os nomes são fictícios, a história talvez não e pode estar a ser vivida por algum de nós.

O Rodrigo tem alma de artista, é o filho mais velho de dois. Tem 18 anos, começou a vestir-se de preto, e quando apareceu com a orelha furada foi a gota de água. O pai não admitiu e confrontou-o com o facto de “Na Minha Casa NÃO”.

A mãe intercede e acorda com o filho que ao entrar em casa tira a argola. O pai finge que não percebe, e o irmão sorri: já vai conseguir o que quer.

Depois seguiu-se a tatuagem, e um dia em que se juntou a tatuagem, a argola que não foi tirada a tempo e um horário não cumprido.

A mãe já sabia que a coisa ia dar para o torto. O Rodrigo foi expulso de casa. A mãe entretanto já tinha feito o contacto com a irmã solteira para ele lá ficar, e passadas 3 semanas acontece assim:

O pai não fala com o Rodrigo e “não quis saber mais dele”. A mãe visita-o diariamente e leva-lhe o que ele precisa, e o irmão mais novo acompanha-a muitas das vezes.

Em casa não se toca no assunto, mas todos sabem que todos conhecem o caso e como está a ser vivido. A mãe espera uma altura melhor para tocar no assunto aos pai, o irmão acha que não tem voto na matéria e ainda pode sobrar para ele, o Rodrigo acha que não havia razão e o pai considera que o filho tem que respeitar as suas regras e no mínimo deve um pedido de desculpas.

O pai sabe onde está o Rodrigo, mas assume o papel de que não, e por isso fica “descansado” e com permissão para continuar a manter a sua autoridade de assim “Na Minha Casa NÃO”.

O pai finge que não vê a mãe chorar, e cala o seu próprio sofrimento.

O Rodrigo pergunta como está o pai, a mãe diz que bem, mas que ele já sabe como o pai é!

E a rotina instalou-se. Todos sabem o que acontece, ninguém muda, mas também ninguém está confortável. Não mudam talvez porque assumissem que era assim, que cada um deles é assim, mas não, não tem que ser assim.

Vá venham a uma sessão de treino de relações familiares e permitam-se ser felizes! Não insistam naquilo que traz sofrimento.

Se todos sabem de tudo porque não abordar o assunto francamente e trilhar um caminho. Ficar parado a ver acontecer não contribui para a resolução, só para a fragilização da situação!

Alexandra Alvarez I Terapeuta Familiar, Parental e Conjugal

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicado por Terapia Familiar e de Casal - Alexandra Alvarez

Olá, sou Alexandra Alvarez, mãe de 5 filhos, terapeuta familiar e de casal, formadora e supervisora. Faço consultas com famílias e casais para "fazer acontecer" relações positivas! Uma nova oportunidade, para que todos sejam ouvidos e para que todos possam ouvir, numa perspetiva de entendimento e reforço de competências. " Family trainer " (inspiração no personal trainer), num modelo aproximado de coaching familiar, parental e de casal! Com paixão!

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: