Vamos indo! Quando é que estamos?

O vamos indo é uma resposta muito utilizada quando nos perguntam como estamos e não significa mais do que vamos estando. Nesta
afirmação está subjacente um desejo de um dia virmos a ESTAR. Como se eu não me decidisse verdadeiramente a ESTAR alguém decidiu por mim – o juiz, a pedido do meu marido, que naquela terça feira, 13, me leu a sentença declarando a ré, eu própria, culpada, por não amar incondicionalmente o marido.

“Não separe o homem o que Deus uniu”.  A ré é condenada a amar perpetuamente o homem que escolheu como seu marido.

A sentença não me saia da cabeça. Nunca pensei que tivesse que ser sentenciada a amar perpetuamente porque oamor é voluntário, trancende a nossa vontade Porque eu quero amor agora e sempre, e sempre quis, mas se calhar não queria um amor perpetuo, porque ser perpetuo significa que se vai arrastar para lá de tudo, até da própria vida.

Antes fosse condenada a simplesmente amar, ou a simplesmente deixar-me ser amada. Amar não devia poder ser sentenciado, mas o positivo da sentença é a sua pouca ou nula probabilidade de ser garantida. Na verdade nunca ninguém poderá garantir que essa pena é cumprida porque o nosso eu interior possui áreas intransponíveis que só a nós respeitam e mesmo assim nem sempre nós compreendemos.
Bem, mas a sua insegurança impelia-o a ter uma sentença escrita. O sentimento afinal não lhe daria tanta tranquilidade como um papel em jeito de sentença em que o amor poderia ser perpetuamente reclamado. Mas como se pode ser o Anjo de alguém, quando falamos de amor e os anjos nem sexo têm?
O juíz não sabia que a sua sentença estava ela própria condenada: eu não amaria ninguém perpetuamente.

Alexandra Alvarez I Terapeuta Familiar, Parental e Conjugal

Consultas de 2ª a sábado após as 17h nos dias úteis, e manhãs de sábado. Faça o seu agendamento pelo TM 911 846 427. Clinica Biuti, em Alvalade.

Publicado por Terapia Familiar e de Casal - Alexandra Alvarez

Olá, sou Alexandra Alvarez, mãe de 5 filhos, terapeuta familiar e de casal, formadora e supervisora. Faço consultas com famílias e casais para "fazer acontecer" relações positivas! Uma nova oportunidade, para que todos sejam ouvidos e para que todos possam ouvir, numa perspetiva de entendimento e reforço de competências. " Family trainer " (inspiração no personal trainer), num modelo aproximado de coaching familiar, parental e de casal! Com paixão!

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: